Vacinas para adultos

Vaccination in the shoulder

Muitos adultos pensam que não precisam tomar vacinas, mas, ao contrário, é importante estar com as vacinas em dia para evitar problemas de saúde. Há vacinas contra bactérias, para controlar surtos epidemiológicos, e vacinas contra vírus, que geralmente tem o efeito por toda a vida, precisando apenas de doses de reforço.

Confira algumas vacinas que os adultos devem tomar:

Vacina dupla tipo adulto: contra difteria e tétano

A difteria atinge o sistema respiratório e provoca dor de cabeça, febre, e pode evoluir para uma inflamação no coração. É contraída pelo contato com secreções de pessoas contaminadas.

Já o tétano ataca os músculos causando espasmos involuntários. Os músculos mais atingidos são os respiratórios, como o diafragma, que é responsável por parte considerável da respiração. Se a doença não for tratada no início, pode ocorrer uma parada respiratória que leva à morte.

Geralmente, as três doses iniciais da vacina são tomadas na infância, depois é necessário tomar o reforço a cada dez anos.

Vacina Tríplice-viral: contra sarampo, caxumba e rubéola

O sarampo é causado por um vírus e é transmitido via respiratória. Sua característica é o aparecimento de manchas vermelhas no corpo. A doença é pouco observada nos adultos, mas eles devem se vacinar para proteger as crianças com quem convivem.

A caxumba é transmitida por via respiratória e faz o pescoço ficar inchado. Ela é mais grave em adultos, pode causar meningite, encefalite, surdez, inflamação nos testículos ou dos ovários, e, em poucos casos, no pâncreas.

A rubéola aumenta dos gânglios do pescoço e causa manchas vermelhas na pele. É uma doença perigosa na gravidez pois, pode prejudicar a formação do bebê causando surdez, má formação cardíaca, atraso no desenvolvimento e catarata.

A vacina deve ser tomada se o adulto ainda não tiver recebido as duas doses recomendadas quando criança. Já as mulheres, da mesma forma, especialmente se nunca tiveram rubéola e pretenderem engravidar, devem tomar a vacina um mês antes de iniciar a gestação.

Vacina contra a hepatite B

A transmissão da hepatite B acontece através do sangue e da relação sexual. Normalmente a doença não tem sintomas; em alguns casos a cura acontece naturalmente, sem que a pessoa saiba que tem a doença. Em outros casos, no entanto, a doença pode acometer o fígado, causando-lhe lesões e até evoluir para cirrose, e causar, inclusive, câncer no fígado.

Podem receber a vacina gratuitamente, no posto de saúde, pessoas até 24 anos de idade ou que façam parte do grupo de risco, como profissionais da saúde, manicures, tatuadores, bombeiros, ou pessoas que tenham relacionamentos íntimos com portador da doença.

Pneumo 23: contra pneumonia

A pneumonia atinge pessoas de todas as idades, especialmente, idosos. A pneumonia, é uma inflamação nos pulmões e causa febre alta, calafrios, falta de ar, suor intenso, tosse com catarro e dor no peito. Devem estar atentos adultos que tenham doenças crônicas no pulmão e coração. A Pneumo 23 é a única vacina do calendário que não é oferecida em postos de saúde, para receber uma dose a pessoa deve se dirigir um Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais, em locais como o Hospital das Clínicas e a Unifesp.

Vacina contra a febre amarela

A febre amarela, doença grave que tem alto índice de mortalidade, é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, o mesmo transmissor da dengue. Os sintomas da febre amarela são dor de cabeça, hemorragias, febre, vômito, calafrios, náuseas, dores no corpo, icterícia (pele e olhos amarelados). A vacina é indicada para pessoas que moram ou vão viajar para locais de risco, pois, existe a preocupação com os efeitos colaterais, que acontecem, mesmo que raramente. A vacina pode causar reação alérgica grave ou anafilática, e pode levar a morte pacientes propensos. No Brasil, são áreas de risco: zonas rurais no Norte e no Centro-Oeste e alguns municípios dos Estados do Maranhão, Piauí, Bahia, Minas Gerais, e São Paulo, Paraná, Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. Pessoas que moram nesses locais de risco devem tomar a vacina a cada dez anos.

Vacina contra influenza (gripe)

A gripe é transmitida via respiratória, dura cerca de uma semana e causa dores musculares e febres altas. A vacina contra a doença está disponível nos postos de saúde para pessoas com mais de 60 anos, já os mais jovens podem se vacinar em clínicas particulares. O vírus da gripe permanece no corpo por semanas sem se manifestar e a proteção da vacina não é imediata, esse pode ser o motivo que leva as pessoas a pensarem que a vacina causa reação.

HPV

O vírus é transmitido através da relação sexual, e responde por 90% dos casos de câncer de colo do útero, e pode provocar tumores de vulva, pênis, boca, ânus e pele. Existem dois tipos de vacina a bivalente e a quadrivalente que é a mais indicada, pois além de proteger contra os tipos 16 e 18 de HPV, também protege contra os tipos 6 e 11. Esta vacina deve ser tomada em 3 doses, a segunda depois de 30 dias da primeira e a terceira, seis meses após a segunda. É importante lembrar que a vacina não dispensa o uso de preservativos na relação, pois, existem mais de 100 tipos diferentes do HPV.

Vacina contra Herpes Zóster

A herpes zoster é uma doença que ataca pessoas que já tiveram catapora, o vírus é o mesmo e fica adormecido no corpo se manifestando anos depois, geralmente após os 50 anos. É caracterizada pelo aparecimento de vesículas na pele que podem ser muito dolorosas, pode haver dor e queimação no local em que o herpes zóster ocorreu. A vacina é aplicada uma única vez, via subcutânea, preferencialmente no braço e é indicada para pessoas com mais de 50 anos de idade.

É importante conferir a sua carteira de vacinação para certificar-se se a vacinação está em ordem e evitar problemas futuros com essas doenças.

Fonte: Minha Vida