Hipotireoidismo

Closeup of a young woman regards her neck on a gray background

A tireoide é uma glândula que equilibra o desempenho do organismo. A glândula fica no pescoço, e é responsável pela produção dos hormônios T3 (tri-iodotironina) e T4 (tiroxina). Esses hormônios influenciam o funcionamento dos órgãos, tais como coração e rins, e ainda podem alterar o ciclo menstrual.

Os tipos mais comuns de problemas da tireoide são:

Hipertireoidismo (o metabolismo fica muito acelerado);

Hipotireoidismo (a glândula libera o T3 e o T4 em menor quantidade do que o necessário).

O hipotireoidismo é mais comum e atinge várias pessoas de uma mesma família. A doença não tem cura, mas o tratamento assegura a qualidade de vida do paciente.

Sintomas

A tireoide regula o funcionamento do sistema cardiovascular, gástrico e nervoso. Por isso, os sintomas se manifestam de diversas formas, o que faz a doença ser confundida com depressão e anemia. Os sintomas mais habituais são: desânimo, cansaço, sonolência, pele seca, inchaço dos olhos, lentidão física e mental, frio mesmo no calor, falta de interesse de todos os tipos, lentidão de fala, de pensamento e de batimentos cardíacos; prisão de ventre, cabelos e unhas quebradiços e lentidão de reflexos.

Mais mulheres que homens

Na fase da menopausa, as mulheres ficam mais vulneráveis a doenças autoimunes. E esse quadro pode desencadear a doença de Hashimoto, que, acredita-se, é um dos fatores para o hipotireoidismo.

Grupo de risco

É fator de risco ter outras doenças autoimunes na família, como lúpus, artrite reumatoide, vitiligo, diabetes de tipo 1.

A existência de bócio (aumento de volume da tireoide) e doença de tireoide na família também incluem o fator de risco.

Exames

O exame mais comum é a dosagem de TSH sérico que deve ser realizado anualmente. O exame é recomendado para pessoas acima de 60 anos, e para aquelas que estão no grupo de risco, a partir dos 30 anos de idade. Mulheres grávidas também devem realizar o exame.

Tratamento

O tratamento mais habitual é feito com reposição hormonal. O comprimido do hormônio sintético da tireoide deve ser ingerido pelo resto da vida, todos os dias. No entanto, é necessário estar atento à dosagem do medicamento, pois, a falta ou excesso podem provocam reações contrárias, os sintomas de hipertireoidismo, que são: agitação física e mental, insônia, irritação e perda de peso.

Falta de tratamento

Não realizar o tratamento pode causar a lentidão de todas as funções do organismo, prejudicando o sistema imune. Esse processo abre portas para outras doenças como pneumonia e infecções. A falta de tratamento também pode afetar o coração e os ossos.

Para controlar a doença

Com o uso da medicação de forma correta, a rotina da pessoa não tem grandes alterações. Porém o paciente deve adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada, com muitas frutas e vegetais, e a prática de atividades físicas. O exercício ajuda a manter o peso e evitar doenças como hipertensão, diabetes, aumento do colesterol e problemas cardiorrespiratórios. Antes de iniciar a atividade física é necessário passar por avaliação médica.

Minha Vida