Febre Amarela

Vaccine

Devido às ocorrências recentes de febre amarela no Brasil, a doença ganhou novamente os holofotes e a preocupação da população. Por isso, é importante saber as formas de transmissão e prevenção para evitar maiores preocupações nesse início de ano.

Causas

Há duas formas de febre amarela: a silvestre e a urbana. A silvestre é a que atinge principalmente os macacos, que se tornam hospedeiros do vírus. Ele é transmitido pelo mosquito Haemagogus sabethes a outros macacos ou pessoas não vacinadasPor esse motivo, a morte de primatas em certa região é um indicador de que a doença circula por essas imediações, caso que aconteceu em São Paulo. A urbana é causada pela picada do mosquito Aedes aegypti, que também é transmissor da dengue, da chikungunya e zika. Essa forma da doença ocorre quando o mosquito pica um ser humano doente e depois um saudável que não foi vacinado.

Sintomas

Os sintomas da doença podem variar, mas no geral são febre com calafrios, mal-estar, dor de cabeça, dores musculares muito fortes, cansaço, vômito e diarreia, que tendem a surgir de três a seis dias após a picada do mosquito.

Outros sintomas são icterícia (pele e mucosas amareladas) progressiva, hemorragias, comprometimento dos rins, do fígado, do pulmão, problemas cardíacos e cerebrais (convulsões e delírios), que podem levar à morte.

 

Diagnóstico

O diagnóstico é feito de acordo com os sintomas apresentados pelo paciente, se já foi vacinado e há quanto tempo ocorreu a vacinação e o número de casos em regiões próximas. A confirmação é feita mediante os resultados de exames laboratoriais complementares.

 

Tratamento

Para tratar a doença, a pessoa deve ficar em repouso, sob cuidados médicos para que, no caso de complicações graves da doença, possa ter assistência hospitalar adequada. O paciente deve manter-se bem hidratado e fazer uso de medicações que equilibrem a pressão arterial, corrijam os desequilíbrios metabólicos e aliviem os sintomas.

 

Dicas

Para evitar a presença do mosquito Aedes aegypti, é recomendado, entre outras medidas, eliminar os focos de água parada que possam servir de criadouro para os mosquitos e usar repelentes de insetos no corpo e nas roupas para se prevenir da picada do inseto.

 

Fonte: Dráuzio Varella