Alergias respiratórias

Kind mit Taschentuch

A ocorrência de alergia respiratória aumenta no inverno e no outono. Para evitar as crises é preciso seguir as orientações médicas quanto ao tratamento e prevenir a exposição à fatores que pioram a alergia, como por exemplo:

– Mudanças de temperatura: alterações entre frio e calor podem irritar as vias respiratórias e demais órgãos. Para atenuar o problema é recomendado agasalhar-se, mas o mais importante é não respirar o ar frio, evitando atividades ao ar livre, por exemplo.

– Emoções fortes: ficar assustado, ansioso, triste ou estressado pode provocar uma crise de asma. Procurar a ajuda de um psicólogo pode ajudar a lidar com essas emoções.

– Produtos químicos: cheiros fortes costumam provocar irritações. É importante escolher produtos com odores mais suaves e menos concentrados.

– Infecções virais: os vírus inflamam o brônquio, o que aumenta a secreção e os riscos de ocorrer uma crise alérgica. A vacina contra a gripe é recomendada e todo o cuidado para que a imunidade não fique baixa.

– Pólen: quando pessoas com rinite alérgica respiram substâncias alérgenas, como o pólen, aparecem sintomas da irritação como inchaço e produção de muco. O melhor é evitar o contato com as flores que provocam a reação alérgica.

– Animais com pelos e penas: é possível conviver com os bichos de estimação, mas os cuidados com a higiene devem ser redobrados. Além disso, deve-se evitar que o animal circule nas áreas internas da casa, especialmente no quarto da pessoa alérgica.

– Exercícios físicos muito intensos: praticar exercício físico é importante para o controle das doenças respiratórias, mas deve ser feito de maneira moderada para não afetar os órgãos e causar uma crise de asma, por exemplo.

– Ácaros: evite o contato com ácaros limpando a casa, mas evitando produtos de cheiro forte. É importante também manter os ambientes arejados e iluminados e evitar tapetes, cortinas e objetos que acumulem poeira.

– Não fumar: a fumaça do cigarro irrita os brônquios e provoca crises alérgicas e falta de ar, logo é importante evitar se expor à fumaça e não ficar em ambientes em que alguém esteja fumando. Fumantes passivos têm maior risco de desenvolver asma.

Fonte: Minha Vida